Química a 4

SEXO NO SWING NÃO É TÃO FÁCIL QUANTO PARECE; CLUBES SÃO BALADAS NORMAIS, MAS COM A POSSIBILIDADE DE ROLAR ALGUMA COISA. E ISSO QUEM DECIDE É VOCÊ E SEU PAR

Dani, uma gordinha de 27 anos que esbanja simpatia em 1,60 de altura, fez um grande sacrifício pelo marido, um rapaz bem apessoado, de cabelo arrepiado, que não para de apertar a bunda da companheira, mesmo em público. Num evento em São Paulo, ele se interessou por um corpo escultural e, claro, quis fazer swing com a dona daquelas curvas. Mas o namorado daquela belezura…

— O apelido dele era 15 para as 3. Não dava para saber para onde ele olhava — relembra Dani, referindo-se ao fato de o homem ser estrábico, além de feio. — Mas eu fiz esse sacrifício pelo meu homem.

E apesar disso, o marido de Dani, Rafael, 30 anos, broxou com a gostosona. Os motivos alegados por ele foram a bebida e a roupa da mulher. Ela estava com uma calça jeans e uma bota até os joelhos. E ao pedir para que ela tirasse a roupa, sua excitação foi caindo, caindo, caindo… até despencar totalmente.

Casados há oito anos e juntos há 12, Dani e Rafael adoram swing e já se satisfazem com a prática há um ano e meio. Presentes à Mega Noite Explícita, perceberam que havia carne nova na área, eu e a minha namorada fake, a editora da revista Transe!, Fernanda Carreira, e trataram de nos enturmar com dois amigos que também participavam do evento no Atenas Club, em Praia Grande.

— Vocês são novos aqui, não?

— Sim.

— Não querem ficar ali conosco? Sei como é complicado o primeiro dia — convenceu-nos Rafael, vestido de calça jeans e camiseta, explicando que em sua iniciação numa casa de swing ele e a mulher falaram apenas com uma pessoa durante a noite inteira: o garçom.

Dani conversou o tempo inteiro e nos contou histórias. O casal dançava a cada música e Rafael, como sempre, dava apertões na bunda da mulher, que estava de vestido curto. A primeira noite do casal numa casa de swing foi no Atenas Club também.

Para chegar lá, é preciso paciência. Embora localizada na avenida mais conhecida da Praia Grande, a Presidente Kennedy, o local é tão escondido que fica quase em Mongaguá. Este deve ser o motivo do atraso do público, que só chegou por volta da meia-noite apesar do flyer do evento indicar a abertura da casa às 22h30, horário em que chegamos. Ao entrar, já se deposita os R$ 30,00 da entrada. A consumação é paga na saída, e no clube, o cliente encontra refrigerante, cerveja, vinho, caipirinha, uísque, jurupinga e muito mais.  Para comer, aperitivos como fritas, salgadinhos, amendoim e mais.

A casa é discreta e não há fachada indicando que aquilo é um clube onde casais liberais se divertem trocando de parceiro — e tendo prazer com isso.

Por dentro, as colunas de sustentação remetem à tentativa de arquitetura grega. Além das colunas, há esculturas de anjos. Uma fonte na entrada ajuda no arranjo. Todas as paredes são pretas. O dark room do Atenas é um labirinto, cujas quatro cabines com trinco têm glory hole — buracos na parede para que alguém de uma cabine possa interagir com outro da cabine do lado. Lá, há banquinhos para se acomodar na hora do sexo oral. Além desses, há mais dois espaços retangulares no labirinto.

— Lá ninguém é de ninguém, né? — pergunto a Marcelo, um rapaz moreno e baixinho de 27 anos, há cinco meses no swing, bem acompanhado. Sua mulher, Luana, de 24, também de vestido curto, é uma negra de 1,80 de altura com um sorriso empolgante e uma simpatia que a faz ser capaz de falar por horas, mesmo sabendo que não está sendo ouvida.

— Lá, no Glory Hole, todo mundo é de todo mundo — explica ele.

Há diferença? Sim. A ideia do ninguém é de ninguém parece atenuar uma certa falta de compromisso. Todo mundo é de todo mundo, pelo contrário, indica que o compromisso dos dois não é quebrado, na medida que cada um sabe o que o outro está fazendo e impõe limites.

Rolar sexo no swing não é tão fácil quanto se supõe. É claro que há casais dispostos a fazer isso, não importa com quem. Mas há outros que são mais seletivos, e escolhem o melhor tanto para o homem quanto para a mulher. O prazer não pode ser de um membro só.

Então tente imaginar a complicação: arranjar alguém numa balada comum já é complicado, agora achar num swing, parceiros de cama, cuja beleza, simpatia e vontade de ter algo coincidam com as vontades que o casal procura, torna-se mais difícil ainda. Trata-se de uma química entre quatro pessoas, que precisa proporcionar prazer aos quatro.

Essa complicação ocorre em caso de troca completa de casais. E de acordo com Rafael, quando se está iniciando no swing, o ideal é que seja assim.

— A não ser que você já esteja acostumado com a ideia de ver a sua mulher com outro ou ela de ver você com outra. Aí, tudo bem. Mas caso contrário, o melhor é a troca mesmo, porque enquanto você interagir com a esposa, sua namorada estará com outro — aconselha Rafael.

Essa possibilidade de acrescentar mais uma pessoa, comprometida ou solteira, no sexo, é conhecida como ménage e depende do consentimento de ambos no casal. Rafael deixa claro a sua preferência pela troca…

— No ménage, quando estamos com tesão, é ótimo. Mas quando gozamos, dá um sentimento de possessão normal, para ambos. Já na troca, ao terminar, você volta para a sua namorada e o outro volta para a dele. Mesmo que estejam nus no quarto, estarão com os seus parceiros — acrescenta Rafael. Apesar da preferência, o casal estava à procura de um single naquela noite, e só não partiram para os “finalmente” porque Rafael teve de ir embora, pois estava ficando muito tarde.

Já Luana libera o marido para as aventuras do ménage, desde que ela saiba. O contrário, porém, não pode ocorrer. O ciúme não deixa. Luana só transa com homens em caso de troca completa de casais, que é quando o ciúme deixa de existir, já que Marcelo estaria se divertindo também.

— E por aqui é difícil. Eu ia a uma outra casa aqui na Praia Grande. Me desculpa a expressão, mas só tinha peão! Em São Paulo é que é bom. São Paulo é a Disney — avalia Luana.

A Disney do swing fica especificamente em Moema, segundo o casal. Pessoas bonitas, simpáticas e dispostas, em vários clubes do tipo. Outro nível. E a higiene também é outro ponto destacado: um vidrão de Listerine, além de álcool para higienização.

— Nas casas da Baixada Santista, você sai sujo se não trouxer suas coisas — acrescenta Luana.

Naquela noite, os casais devem ter achado que eu tenho a urina um tanto quanto solta. Fui ao banheiro cinco vezes para anotar algumas dessas declarações. Reparei que o banheiro é simples e razoavelmente limpo.

Enquanto conversamos, a balada rolava solta. A casa não estava cheia, apesar da promessa de aquela ser uma meganoite, com um megaevento. As dimensões foram supervalorizadas. Na casa, as músicas vão desde pop (Lady Gaga, Pussycat Dolls, Pink e Beyonce), passando por techno, até  funk.

Ao som de piri-piri-piri-piriguete, testemunhei uma das cenas mais representativas de um evento de swing. Uma gorda de aparentemente 40 anos, logo após beijar o parceiro, começou a esfregar a bunda sinuosa em Felipe, proprietário da casa. O parceiro viu tudo sem esboçar reação de fúria ou ciúme.

Os cumprimentos são acalorados. Nada de simples aperto de mão e beijo no rosto. Homens abraçam os amigos e dão selinho nas parceiras deles. As mulheres se cumprimentam entre si com selinho, também.

O comportamento dos singles, ou solteiros, é outro ponto de destaque. Eles seguem um rigoroso conjunto de normas, que os impede, por exemplo, de abordar os casais. A atitude deles é extremamente passiva: os singles devem aguardar o convite dos casais ou a apresentação de algum dos organizadores. O rigoroso conjunto de normas ainda acrescenta um “seja educado”, “respeite o limite de cada casal” e “segurança e higiene sempre! Tenha sempre camisinha no bolso, e esteja com as partes íntimas limpas, aparadas ou depiladas”.

Ainda tranquiliza os casais o fato de o regimento interno da casa estabelecer que os singles terão maior zelo em relação ao comportamento e que se algum casal se sentir incomodado com alguma atitude imprópria pode comunicar imediatamente aos organizadores do evento.

Numa casa de liberais, os limites colocados nas atitudes dos solteiros obriga um esforço grande por parte deles. Afinal, se eles querem mesmo conquistar um casal, é bom que eles cuidem da forma física, estejam bem vestidos e cheirosos. Além disso, um single pode paquerar e “querer ser visto”. Isso ocorre quando ele decide exibir-se para um casal. Isso é engraçado. Eles avistam um casal, chegam bem perto e, depois de rodar o corpo algumas vezes, estacionam por ali mesmo, esperando o convite, que nem sempre chega. Foi o caso de um homem de 35 anos, forte e apresentável. Parou ao nosso lado e estacionou, esperando ser notado e receber um convite para entrar no labirinto e ter um pouco de prazer onde os casais estão contentes em acrescentar corpos a mais numa relação.

Os incentivadores desses casais são a Ale e o Fe, o Felipe. Ambos são os organizadores e proprietários das festas do Atenas Club. Juntos há 14 anos, oito deles no swing, o casal, em sua página do Orkut, define assim a prática: “O swing para nós é troca de prazer com respeito e umas boas safadezas”.

O incentivo é constatado por meio das promoções. São várias. No dia em que estivemos no local, a entrada custava R$ 30,00 para o casal, mas se este levasse um single do sexo masculino, eles tinham esse valor convertido em consumação. Além disso, ganhamos entrada free para o domingo. E quem fosse no domingo ganhava entrada grátis para a semana seguinte. Tudo isso e muito mais, considerando que em alguns dias as mulheres singles não pagam.

Fora os brindes. Preparávamos-nos para ir embora, por volta das 3 da manhã, e até então o prometido show da atriz pornô Alessandra Marques e o ator Alexandre Senna não havia rolado. Foi quando começaram a sortear as comandas premiadas. Quem ganhou? A Dani. O que ela ganhou? Uma calcinha do Sex Shop Rota 69.

— Não sei por que deram calcinha pra ela. Aliás, não sei nem porque ela vem com isso pro swing. Na volta de cada evento, ela tira a calcinha e dá pro Rafael colocar no bolso — brinca Luana.

3 pensamentos sobre “Química a 4

  1. Nossa… rsrsrss
    Achei sem querer essa historia de vcs.
    Logicamente que nós Ale e Fe não lembramos de vcs…
    Mas resolvi deixar nosso comentário juntamente com um convite p/ nos visitarem novamente e ver como a casa melhorou e muito. Principalmente se tratando da limpeza dos banheiros que agora tem uma moça que mantem eles limpos a noite toda.
    Assim como tem álcool em gel espalhados pela casa toda… e tb listerine nos banheiros… rsrsrs
    NO bar não é mais um garçom.. e sim duas garçonetes. Temos tb um novo DJ e tb uma promoter que auxilia os casais novos na casa e tb ajuda na interação de todos.
    Mesmo a casa sendo distante e como vc mesmo disse é necessário ter paciencia p/ chegar vale a pena. A casa ta bombando direto e está ótima. E sabado 20/11 iremos inaugurar mais 5 ambientes novos na casa.
    Seria legal vcs virem e se atualizarem em relação ao Atenas Club.
    Obrigada pelos poucos elogios em relação a casa, mesmo poucos foram sinceros.
    Aaa realmente nessa noite não teve o show da ALessandra Marques. Mas depois dessa noite serviu p/ nós organizadores fazermos contratos com os stripers.
    Beijus pra vcs e apareçam por aqui quando puderem.
    Obs.: No clube sempre oferecemos toalhas, toalhas de papel e sabonetes liquidos. Portanto só sai sujo daqui quem quer.

    ALE E FE
    ATENAS CLUB

  2. Achei,muito interessante esse comentário!!eu e meu marido estivemos no Atenas,sexta passada(06-05)pela primeira vez,depois de muitas tentativas da minha parte,porque ele estava relutante pra ir numa casa de swing!Mas me decepcionei um pouco,não teve ninguém pra nos orientar na casa,nem ao menos nos apresentar o local,ou atemesmo nos explicar como tudo funcinava!ficamos perdidos,e até um pouco envergonhados!andamos pela casa pra conhecer um pouco,mas mesmo assim deu pra curtir um pouco,aliás um casal se aproximou de nós,ele ficava acariciando sua parceira na nossa frente,levantava até o vestido dela,e ao mesmo tempo olhava para o meu marido!achamos tudomuito estranho e engraçado!não entendemos direito o que estava acontecendo,até nos afastamos um pouco deles,ma para nossa surpresa eles nos seguiram,onde íamos,lá estavam eles,mas de qualquer maneira naquela noite só fomos pra conhecer e saber o que acontece,não tínhamos a intenção de nos relacionar com nínguém logo de cara,ou seja na primeira vez!não sei se vamos voltar,mas espero que se voltarmos,sejamos melhor recepcionados,mas mesmo assim valeu!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s